Novidades | Âmbito Federal

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA No 13, DE 23 DE AGOSTO DE 2021

Regulamenta a obrigação de inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais e revoga os atos normativos consolidados, em atendimento ao Decreto no 10.139, de 28 de novembro de 2019.

O Presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – Ibama, nomeado por Decreto da Presidência da República de 9 de janeiro de 2019, este publicado no Diário Oficial da União (DOU) – Edição Extra de 9 de janeiro de 2019; no uso das atribuições que lhe conferem o art. 23, incisos V e VIII, do Anexo I do Decreto no 8.973, de 24 de janeiro de 2017 (Estrutura Regimental do Ibama), publicado no DOU de 25 de janeiro de 2017, e o art. 134, inciso VI, do Anexo I da Portaria Ibama no 2.542, de 23 de outubro de 2020, publicada no DOU do dia subsequente; nos termos do caput e do inciso II do art. 17 da Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, e do inciso II do art. 2o da Lei no 7.735, de 22 de fevereiro de 1989; e considerando o contido no processo no 02001.007590/2012-69. resolve:

CAPÍTULO I
DISPOSIÇÕES PRELIMINARES


Objeto e âmbito de aplicação

Art. 1o Esta Instrução Normativa regulamenta a obrigação de inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais a que se refere o inciso II do art. 17 da Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981.


            Parágrafo único. A aplicação desta Instrução Normativa é complementada pelo Regulamento de Enquadramento de pessoas físicas e jurídicas no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais.

CAPÍTULO II
DISPOSIÇÕES GERAIS

Definições

Art. 2o Para os efeitos desta Instrução Normativa, entende-se por:


            I – atividades potencialmente poluidoras e utilizadoras de recursos ambientais: aquelas que estão relacionadas:


            a) nas categorias 1 (um) a 20 (vinte) do Anexo I, conforme art. 17-C e Anexo VIII da Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981; e


            b) nas categorias 21 (vinte e um) e 22 (vinte e dois) do Anexo I, em razão de outros normativos federais ou de abrangência nacional, que determinem o controle e fiscalização ambiental de atividades;


            II – Comprovante de Inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais: certidão emitida pelo sistema que demonstra a inscrição cadastral;


            III – Certificado de Regularidade: certidão que atesta a conformidade dos dados da pessoa inscrita para com as obrigações cadastrais e de prestação de informações ambientais sobre as atividades desenvolvidas sob controle e fiscalização do Ibama, por meio dos sistemas vinculados ao Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, salvo impeditivo nos termos do Anexo II;


            IV – Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais: o cadastro que identifica as pessoas físicas e jurídicas e sua localização, em razão das atividades potencialmente poluidoras e utilizadoras de recursos ambientais por elas exercidas, nos termos do inciso I do art. 2o e relacionadas no Anexo I;


            V – enquadramento de atividade: identificação de correspondência entre a atividade exercida pela pessoa física ou jurídica e as respectivas categorias e descrições de atividades sujeitas à inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, nos termos do Anexo I e do Regulamento de Enquadramento de pessoas físicas e jurídicas no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais;

VI – categoria: grupamento que reúne uma série de descrições de atividades congêneres;


            VII – descrição: especificação de cada atividade potencialmente poluidora e utilizadora de recursos ambientais, agrupada por categoria, nos termos do Anexo VIII da Lei no 6.938, de 1981, e do Anexo I;


            VIII – estabelecimento: o local, privado ou público, edificado ou não, móvel ou imóvel, próprio ou de terceiro, onde a pessoa exerce, em caráter temporário ou permanente, atividade potencialmente poluidora e utilizadora de recursos ambientais;


            IX – inscrição: ato de inscrever-se no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais decorrente de obrigação legal da pessoa física e jurídica que exerça atividade potencialmente poluidora e utilizadora de recursos ambientais;


            X – pessoa inscrita: pessoa física ou jurídica registrada no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais;


            XI – responsável legal: é o representante direto de pessoa jurídica, com legitimidade para representá-la;


            XII – declarante: a pessoa que recebeu a atribuição, por parte do responsável legal, para preenchimento e operação do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, por vínculo contratual;


            XIII – preposto: a pessoa física ou jurídica, com mandato público ou privado, de representação de poderes da pessoa inscrita;


            XIV – usuário interno: servidor da Administração Pública federal, estadual, distrital ou municipal, usuário dos dados do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais;


            XV – usuário externo: administrado inscrito no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais;

XVI – auditagem: procedimento que pode resultar na alteração de ofício de dados declarados, consistente na verificação de eventuais não-conformidades de registros existentes no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, a partir da comparação com bases de dados dos demais sistemas do Ibama e de outras instituições públicas, ou mediante documentação e vistorias in loco;


            XVII – tipo de porte: qualificação da pessoa jurídica, quanto à finalidade econômica da organização;


            XVIII – Regulamento de Enquadramento de pessoas físicas e jurídicas no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais: o conjunto de regras para enquadramento de pessoas físicas e jurídicas no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, estabelecido em norma específica;


            XIX – Ficha Técnica de Enquadramento: o formulário eletrônico que contém as descrições para enquadramento de atividades potencialmente poluidoras e utilizadoras de recursos ambientais;


            XX – ações de controle e fiscalização ambiental aprovativas: o licenciamento, a autorização, a concessão, a permissão ou qualquer procedimento administrativo de órgão ambiental competente que resulte na emissão de ato aprovativo para exercício de atividades potencialmente poluidoras e de atividades utilizadoras de recursos ambientais; e


            XXI – alteração de dados cadastrais pela Administração: alteração motivada por auditagem ou em decorrência de requerimento da parte.


Art. 3o Para fins de aplicação do art. 17-P, da Lei no 6.938, de 1981, a Unidade Federativa poderá utilizar os serviços de sistema e dados do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais na constituição de respectivo Cadastro Técnico, Estadual ou Distrital, instituído por legislação específica, estadual ou distrital.


            Parágrafo único. A utilização de serviços do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, a que se refere o caput, será objeto de Acordo de Cooperação Técnica, assegurado o compartilhamento de dados e informações ambientais de interesse recíproco dos acordantes, nos termos das normas e procedimentos da Política de Segurança da Informação, Informática e Comunicações do Ibama – Posic.

Competências

Art. 4o Compete ao Ibama, por intermédio de seu Presidente:


            I – aprovar e aditar os Acordos de Cooperação Técnica referentes ao Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, com órgãos e entidades da Administração Pública federal, distrital e estadual;


            II – propor, junto ao Ministério do Meio Ambiente, a criação de mecanismos, fóruns, câmaras técnicas e instâncias de harmonização técnico normativa do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, na implementação do art. 3o; e


            III – aprovar a criação, alteração e exclusão de categorias e descrições de atividades potencialmente poluidoras e utilizadoras de recursos ambientais no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, observando-se padrões e critérios tecnicamente definidos, visando:


            a) ao cumprimento de convenções e acordos internacionais recepcionados no ordenamento jurídico brasileiro; e


            b) ao cumprimento de normas das instituições de gestão e controle ambientais.


            Parágrafo único. Novas descrições que se refiram a atividades sujeitas à Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental e à entrega do relatório anual do § 1o do art. 17-C da Lei no 6.938, de 1981, serão vinculadas às respectivas categorias e descrições do Anexo VIII da Lei no 6.938, de 1981, nos termos do art. 42 desta Instrução Normativa.


Art. 5o Compete à Diretoria de Qualidade Ambiental:

I – o gerenciamento do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais; e


            II – aprovar os procedimentos decorrentes desta Instrução Normativa, como Procedimentos Operacionais Padrões e Orientações Técnicas Normativas.


            Parágrafo único. Na hipótese do art. 4o, inciso III, o respectivo Procedimento Operacional Padrão estabelecerá os procedimentos de adequação dos registros já constantes no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, quando pertinente.


Art. 6o Compete à Coordenação-Geral de Gestão da Qualidade Ambiental disponibilizar os meios para a consecução das competências no âmbito da Coordenação de Avaliação e Instrumentos de Qualidade Ambiental.


Art. 7o Compete à Coordenação de Avaliação e Instrumentos de Qualidade Ambiental:


            I – promover a implementação dos Acordos de Cooperação Técnica referentes ao Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, junto às Unidades da Federação e às instituições federais;


            II – propor revisões normativas referentes ao Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais;


            III – requerer, analisar o desenvolvimento e homologar artefatos de programação computacional, referentes à estrutura e aos serviços prestados pelo Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais;


            IV – analisar demandas e propor a criação, alteração e exclusão de atividades potencialmente poluidoras e utilizadoras de recursos ambientais no sistema do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, assegurada a integralidade das categorias e descrições do Anexo VIII da Lei no 6.938, de 1981;


            V – emitir Notas Técnicas de uniformização de enquadramento de atividades;

VI – propor os procedimentos administrativos relativos ao cadastramento de ofício, ao enquadramento de atividade potencialmente poluidora e de enquadramento de porte;


            VII – analisar as demandas técnico-normativas das Superintendências e dos gestores dos serviços vinculados ao Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, de acordo com as competências previstas no Regimento Interno do Ibama; e


            VIII – controlar o acesso de servidores públicos responsáveis pelo registro, auditagem e consulta de atos cadastrais no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, de acordo com as competências previstas no Regimento Interno do Ibama, e conforme procedimento aprovado pela Diretoria de Qualidade Ambiental.


            § 1o A consulta ao Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais será disponibilizada ao órgão da Administração interessado na habilitação dos seus servidores, mediante requerimento.


            § 2o Usuários internos da Administração Distrital ou Estadual, no âmbito dos respectivos Acordos de Cooperação Técnica, poderão realizar atos cadastrais da Administração previstos no art. 18, mediante requerimento aprovado pela Coordenação de Avaliação e Instrumentos de Qualidade Ambiental.


            § 3o Para fins de aplicação do § 1o, consideram-se interessados os destinatários do Decreto no 7.746, de 5 de junho de 2012, agências reguladoras, conselhos de fiscalização de profissionais liberais e órgãos de arrecadação e de meio ambiente em qualquer nível da Administração.


Art. 8o Compete às Superintendências, no âmbito de suas respectivas jurisdições:


            I – acompanhar a execução de Acordos de Cooperação Técnica referentes ao Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais;


            II – propor, no Ibama, a criação de mecanismos, fóruns, câmaras técnicas e instâncias de harmonização técnico-normativa do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais;


            III – executar normas e procedimentos de uniformização decorrentes desta Instrução Normativa; e


            IV – designar os servidores que comporão o Núcleo de Qualidade Ambiental e os responsáveis por realizar atos cadastrais, nas unidades técnicas.

Art. 9o Compete ao Núcleo de Qualidade Ambiental, no âmbito das Superintendências:


            I – analisar, deferir ou indeferir requerimentos de usuários externos referentes ao Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, nos termos desta Instrução Normativa e de procedimentos aprovados pela Diretoria de Qualidade Ambiental;


            II – proceder ao registro dos atos cadastrais da Administração, exceto a alteração dos dados de porte;


            III – realizar auditagem, de ofício ou no interesse da pessoa inscrita, dos dados do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais;


            IV – comunicar a ocorrência de infrações administrativas e fiscais ao setor competente para apuração;


            V – comunicar a identificação de não conformidade de declaração de porte ao Setor de Arrecadação;


            VI – habilitar os servidores da Superintendência e demais Unidades do Ibama no Estado, como usuários internos do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, conforme procedimentos aprovados pela Diretoria de Qualidade Ambiental;


            VII – emitir notificações administrativas concernentes às atividades de auditagem do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais;


            VIII – fornecer suporte à Divisão Técnica nas ações de apuração de infração ambiental, em temas relacionados ao Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais;


            IX – emitir parecer técnico acerca dos temas relacionados ao Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais; e


            X – executar e monitorar as ações das Superintendências no âmbito dos Acordos de Cooperação Técnica com os órgãos estaduais de meio ambiente, conforme Plano de Trabalho pactuado e diretrizes da Diretoria de Qualidade Ambiental.


            § 1o Caberá ao Núcleo de Qualidade Ambiental e, supletivamente, à Coordenação de Avaliação e Instrumentos de Qualidade Ambiental, efetuar o cadastramento de ofício.

§ 2o Somente poderá se habilitar como usuário interno do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais o servidor que declarar, de forma expressa e sob as penas da Lei, a inexistência de impeditivo legal advindo de habilitação anterior como usuário externo do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, quanto às vedações da Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990, e demais normas aplicáveis.


            § 3o Aplica-se o parágrafo anterior aos servidores de outros entes públicos para os quais seja concedida a habilitação de usuário interno do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais.

CAPÍTULO III
INSCRIÇÃO

Seção I
Obrigação de inscrição

Art. 10. São obrigadas à inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais as pessoas físicas e jurídicas que se dediquem, isolada ou cumulativamente:


            I – a atividades potencialmente poluidoras e utilizadoras de recursos ambientais, nos termos do art. 2o, inciso I;


            II – à extração, produção, transporte e comercialização de produtos potencialmente perigosos ao meio ambiente; e


            III – à extração, produção, transporte e comercialização de produtos e subprodutos da fauna e flora.


            § 1o A inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais de pessoas físicas e jurídicas que exerçam as atividades mencionadas no caput é condição obrigatória para prestação de serviços do Ibama que dependam de declaração de atividades potencialmente poluidoras e utilizadoras de recursos ambientais.


            § 2o A declaração, no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, de atividades que sejam constantes do objeto social ou da inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) não desobriga a pessoa jurídica de declarar outras atividades potencialmente poluidoras e utilizadoras de recursos ambientais que estejam relacionadas no Anexo I e que sejam exercidas pelo estabelecimento.


Art. 11. Para inscrição e declaração de atividades no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, as pessoas físicas e jurídicas observarão o tipo de pessoa por atividade, conforme Anexo I.


            § 1o Para atividade cujo exercício é restrito a pessoa jurídica no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, é necessário o prévio atendimento ao disposto no art. 967 da Lei no 10.406, de janeiro de 2002, referente à obrigatoriedade de Registro Público de Empresas Mercantis.


            § 2o Não será declarada, por pessoa jurídica, a atividade que for de exercício exclusivo de pessoa física.


Art. 12. São obrigadas à inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais as pessoas físicas e jurídicas que exerçam atividades sujeitas a controle e fiscalização ambiental, conforme art. 2o, inciso I, por meio de:

I – Licença Ambiental de Instalação de empreendimento, ou equivalente;


            II – Licença Ambiental de Operação de empreendimento, ou equivalente;


            III – Licença Ambiental para exercício de atividade, ou equivalente;


            IV – outras ações de controle e fiscalização ambiental aprovativas, nos termos do art. 2o, XX; ou


            V – ato administrativo de dispensa de aprovação ambiental, quando condicionado ao cumprimento de regras específicas previamente determinadas para o exercício da atividade ou funcionamento do empreendimento objeto da dispensa.


            § 1o Para fins de enquadramento no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, as pessoas físicas e jurídicas obrigadas à inscrição deverão declarar as atividades objeto de aprovação, bem como outras atividades potencialmente poluidoras e utilizadoras de recursos ambientais que:


            I – forem autorizadas pelo órgão ambiental competente, em qualquer etapa do processo de licenciamento de empreendimento, inclusive em fase de Licença Prévia; ou


            II – estiverem previstas em condicionantes de ações de controle e fiscalização ambiental aprovativas.


            § 2o Nas hipóteses dos incisos I e II do caput, são obrigados à inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais o empreendedor titular da licença e eventual terceiro contratado para execução de atividades relacionadas no Anexo I.


Art. 13. Não se aplica a obrigatoriedade prevista no art. 12, quando:


            I – o órgão ambiental competente emitir dispensa de licenciamento ou autorização, com fundamento em normativa estabelecida pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA e por Conselho Estadual de Meio Ambiente;


            II – o órgão ambiental competente controlar ou fiscalizar atividade por força de legislação exclusivamente distrital, estadual ou municipal, e que não esteja relacionada no Anexo I;


            III – a pessoa jurídica for proprietária de unidade produtiva de indústria, comércio ou de prestação de serviços arrendada ou locada a terceiros, desde que não exerça quaisquer atividades potencialmente poluidoras e utilizadoras de recursos ambientais relacionadas no Anexo I; ou

IV – a pessoa jurídica for contratante de industrialização por encomenda, desde que todas as atividades relacionadas no Anexo I sejam exercidas integralmente por terceiros.


Art. 14. Não é obrigado à inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais o consórcio de Sociedades Anônimas, a que se referem os arts. 278 e 279 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e alterações.


            Parágrafo único. Na hipótese do caput, são obrigados à inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais os estabelecimentos que, integrantes do contrato de consórcio, exerçam atividades potencialmente poluidoras e utilizadoras de recursos ambientais relacionadas no Anexo I.


Art. 15. Não é obrigado à inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais o titular do serviço público, inclusive de saneamento básico, que delegue a outra entidade, pública ou privada, a prestação do serviço passível de licenciamento ambiental.


            Parágrafo único. Na hipótese do caput, obriga-se à inscrição a entidade delegada que exerça atividade relacionada no Anexo I.


Art. 16. Na hipótese de unidade auxiliar, nos termos da Resolução CONCLA no 1, de 15 de fevereiro de 2008, não há obrigação de inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais desde que o estabelecimento não exerça quaisquer atividades relacionadas no Anexo I, inclusive quando a unidade for:


            I – administrativa central, regional ou local;


            II – centro de processamento de dados;


            III – escritório de contatos da pessoa jurídica; ou


            IV – ponto de exposição.


Art. 17. A incidência de hipótese de não obrigação de inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, nos termos dos arts. 13 a 16, não exime a pessoa física ou jurídica da respectiva responsabilidade ambiental, inclusive na apuração de infração ambiental de que trata o art. 70 da Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1988, por ato comissivo ou omissivo.

Seção II
Atos cadastrais

Art. 18. São atos cadastrais do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais:


            I – a inscrição;


            II – a alteração, de ofício ou a pedido da pessoa inscrita, dos dados de identificação, de atividades declaradas e respectivas datas; e


            III – a alteração da situação cadastral da pessoa inscrita.


Art. 19. A inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais não desobriga a pessoa inscrita:


            I – da inscrição no Cadastro Técnico Federal de Instrumentos de Defesa Ambiental, nos termos do art. 17, inciso I, da Lei no 6.938, de 1981;


            II – da entrega de relatórios anuais, nos termos do art. 17-C, § 1o, da Lei no 6.938, de 1981;


            III – do cumprimento de obrigações tributárias, principais e acessórias, nos termos do art. 17-I, da Lei no 6.938, de 1981;


            IV – da inscrição em outros cadastros, de declarações e relatórios previstos em legislação ambiental específica; e


            V – da obtenção de licenças, autorizações, concessões ou permissões ambientais, na forma da legislação ambiental vigente.


Art. 20. A inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais será realizada pela pessoa física ou jurídica por meio de formulário disponibilizado no sítio eletrônico do Ibama na internet.


            § 1o Os dados declarados no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais são sujeitos a revisão pela Administração, caso constatado seu erro material por meio de prova idônea.


            § 2o As áreas responsáveis pelo cadastro poderão exigir que os dados declarados sejam aferidos por meio de documentos que comprovem a verdade material acerca do exercício das atividades declaradas.

Art. 21. A cada pessoa inscrita corresponderá um número de inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais.


            Parágrafo único. Para as pessoas físicas e jurídicas passíveis de inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientaise no Cadastro Técnico Federal de Instrumentos de Defesa Ambiental haverá apenas um número de inscrição.


Art. 22. São dados obrigatórios da inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais:


            I – identificação da pessoa inscrita e do declarante, constando, no mínimo, de:


            a) Cadastro de Pessoas Físicas (CPF), nome, endereço, data de nascimento e endereço de correio eletrônico da pessoa física;


            b) CPF e nome do responsável legal da pessoa jurídica;


            c) CNPJ, nome, endereço do estabelecimento e endereço de correio eletrônico da pessoa jurídica.


            II – atividades potencialmente poluidoras e utilizadoras de recursos ambientais exercidas;


            III – data de início de atividades exercidas; e


            IV – no caso de pessoa jurídica, coordenadas geográficas e declaração de porte.


            § 1o A omissão de qualquer dado obrigatório impede a conclusão do registro.


            § 2o Aplicam-se, no que couber, as disposições normativas da Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil para o:


            I – CPF;


            II – Cadastro de Atividade Econômica da Pessoa Física; e


            III – CNPJ.


Art. 23. A inscrição de pessoa jurídica no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais observará:


            I – uma inscrição por CNPJ;

II – a inscrição prévia e regular do responsável legal e do declarante como pessoa física;


            III – a inscrição individualizada do estabelecimento matriz e de cada estabelecimento filial, se houver, quando exercida atividade constante do Anexo I por ambos; e


            IV – a declaração de todas as atividades potencialmente poluidoras e utilizadoras de recursos ambientais exercidas, por inscrição, nos termos do Anexo I e do Regulamento de Enquadramento de pessoas físicas e jurídicas no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais.


Art. 24. A data de início da atividade exercida por pessoa jurídica é aquela a partir da qual a pessoa está habilitada para o exercício da atividade, sendo que prevalecerá a data mais recente que possa ser comprovada entre:


            I – a data de inscrição de CNPJ na Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil;


            II – a data de inscrição em Secretaria de Fazenda Distrital ou Estadual;


            III – a data de arquivamento de contrato social em Junta Comercial ou de respectivas alterações;


            IV – a data de registro de outros atos constitutivos de empresa ou de respectivas alterações, na forma da legislação vigente; ou


            V – a data de emissão de licença, autorização, concessão ou permissão ambientais, observando-se o que dispõe o art. 12.


            § 1o Aplica-se o inciso II do caput, na hipótese de obrigatoriedade de inscrição da pessoa jurídica em Secretaria de Fazenda Distrital ou Estadual, na forma da legislação vigente.


            § 2o Na hipótese do inciso II do caput, será considerada a inscrição estadual relacionada a atividades do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais se houver mais de uma inscrição em Secretaria de Fazenda Distrital ou Estadual.


Art. 25. A data de início de atividade exercida por pessoa física é aquela a partir da qual a pessoa está habilitada para o exercício da atividade, sendo que prevalecerá a data mais recente que possa ser comprovada entre:

I – a data de inscrição no Cadastro de Atividade Econômica da Pessoa Física da Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil;


            II – a data de inscrição em Secretaria de Fazenda Distrital ou Estadual; ou


            III – a data de emissão de licença, autorização, concessão ou permissão ambientais, observando-se o que dispõe o art. 12.


            § 1o Aplicam-se os incisos I e II do caput, na hipótese de obrigatoriedade de inscrição da pessoa física no Cadastro de Atividade Econômica da Pessoa Física e em Fazenda Distrital ou Estadual, na forma da legislação vigente.


            § 2o Na hipótese do inciso I do caput, será considerada a inscrição federal relacionada a atividades do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais se houver mais de uma inscrição no Cadastro de Atividade Econômica da Pessoa Física.


            § 3o Na hipótese do inciso II do caput, será considerada a inscrição distrital ou estadual que seja relacionada a atividades do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais se houver mais de uma inscrição em Fazenda Distrital ou Estadual.


Art. 26. A data de término de atividade exercida por pessoa jurídica é aquela da perda de habilitação para o exercício de atividades, sendo que prevalecerá a data mais antiga que possa ser comprovada entre:


            I – a data do arquivamento de distrato social em Junta Comercial ou ato equivalente de dissolução ou sucessão de empresa na forma da legislação vigente;


            II – a data da baixa de inscrição de CNPJ, conforme “Certidão de Baixa no CNPJ” da Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil;


            III – a data de baixa de inscrição em Secretaria de Fazenda Distrital e Estadual ou a data de outra situação cadastral que represente impedimento definitivo de emissão de nota fiscal; ou


            IV – outras datas, como:


            a) a data de validade de licença, autorização, concessão ou permissão ambientais, bem como as respectivas datas de revogação, suspensão ou cancelamento, se houver;


            b) a data de validade ou de revogação de autorização municipal de funcionamento;


            c) a data de validade ou de revogação de outras autorizações concedidas pelo Poder Público;


            d) a data de última nota fiscal emitida; ou


            e) a data de término que tenha sido determinada por vistoria in loco.


Art. 27. A data de término de atividade exercida por pessoa física é aquela da perda de habilitação para o exercício de atividades, sendo que prevalecerá a data mais antiga que possa ser comprovada entre:


            I – a data de óbito;


            II – a data de baixa no Cadastro de Atividade Econômica da Pessoa Física da Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil;

III – a data de baixa de inscrição em Secretaria de Fazenda Distrital ou Estadual ou a data de outra situação cadastral que represente impedimento definitivo de emissão de nota fiscal; ou


            IV – outras datas, como:


            a) a data de validade de licença, autorização, concessão ou permissão ambientais, bem como as respectivas datas de revogação, suspensão ou cancelamento, se houver;


            b) a data de validade ou de revogação de outras autorizações concedidas pelo Poder Público;


            c) a data de validade, suspensão ou cancelamento de outras licenças concedidas pelo Poder Público; ou


            d) a data de última nota fiscal emitida.


            § 1o Nas hipóteses dos incisos II a IV do caput, não será considerada válida a data de término de atividade, se houver comprovação contrária de que a atividade continua ou voltou a ser exercida.


            § 2o Na hipótese do inciso II do caput, será considerada a inscrição federal relacionada a atividades do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais se houver mais de uma inscrição no Cadastro de Atividade Econômica da Pessoa Física.


            § 3o Na hipótese do inciso III do caput, será considerada a inscrição distrital ou estadual relacionada a atividades do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais se houver mais de uma inscrição em Secretaria de Fazenda Distrital ou Estadual.


Art. 28. A pessoa inscrita responde, na forma da lei, pela veracidade e atualização das informações declaradas.


            Parágrafo único. A indicação de preposto para a prática de atos cadastrais no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais não exclui a responsabilidade originária da pessoa inscrita.


Art. 29. O Ibama inscreverá de ofício, no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, a pessoa física e jurídica que não proceda à devida inscrição, conforme procedimento a ser aprovado pela Diretoria de Qualidade Ambiental.


Art. 30. Para os atos cadastrais de ofício, o Ibama poderá consultar outros bancos de dados oficiais.


Art. 31. A pessoa inscrita poderá, a qualquer tempo, alterar os dados de sua inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais no que se refere a:


            I – alteração de dados de nome, razão social, endereço e data de constituição da pessoa inscrita;


            II – inclusão de atividades;


            III – inclusão ou alteração de porte do ano corrente;


            IV – situação cadastral, inclusive por meio de reativação de inscrição encerrada;


            V – inserção de datas de término, exceto se data retroativa; e


            VI – responsável legal e declarante em inscrição de pessoa jurídica.


            Parágrafo único. As alterações de responsável legal e de declarante em inscrições de pessoas jurídicas são realizadas, exclusivamente, pela pessoa inscrita.

Art. 32. A Administração poderá alterar os dados cadastrais, no que se refere a:


            I – alteração de nome, razão social, endereço e data de constituição da pessoa inscrita;


            II – inclusão, exclusão e retificação dos dados de atividades, incluindo as datas de início e de término;


            III – inclusão, exclusão e retificação de dados de porte; e


            IV – alteração da situação cadastral da pessoa inscrita.


            § 1o O requerimento de alteração de dados cadastrais será feito por meio de formulário próprio, disponível por meio do peticionamento eletrônico do Ibama, acompanhado necessariamente dos documentos comprobatórios, conforme o tipo de solicitação, sob pena de não conhecimento do pedido.


            § 2o As solicitações de alteração dos dados do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, por meio de preposto, serão acompanhadas de procuração com discriminação de poderes específicos e prazo de validade não superior a dois anos, dispensado o reconhecimento de firma quando o agente administrativo, confrontando a assinatura com aquela constante do documento de identidade do signatário, lavrar sua autenticidade no próprio documento.

Seção III
Situações cadastrais

Art. 33. São situações cadastrais do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais:


            I – Ativo;


            II – Encerrado;


            III – Cadastramento Indevido;


            IV – Suspenso para Averiguações; e


            V – Cadastramento de Ofício.


Art. 34. A inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais enquadra-se na situação de Encerrado:


            I – quando a pessoa inscrita declarar a data de término de todas as atividades vinculadas à inscrição; ou


            II – em razão de lançamento dessa situação cadastral pela Administração.


Art. 35. A situação de Encerrado, de ofício ou no interesse da pessoa inscrita, não desobriga seus responsáveis e sucessores legais das obrigações ambientais e tributárias constituídas antes do encerramento da inscrição.


Art. 36. A pessoa inscrita poderá requerer a suspensão temporária de atividade declarada no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais.


            § 1o No requerimento, a pessoa informará:


            I – a atividade suspensa;


            II – a data do término temporário; e


            III – a data do reinício.


            § 2o A suspensão temporária não se aplica a atividades:


            I – sob vigência de autorizações, licenças ou concessão de recursos da fauna e da flora para exercício da atividade; ou


            II – sob vigência de licença ou outro ato aprovativo ambiental para guarda de equipamentos, máquinas e substâncias.


            § 3o Na hipótese de existência de área degradada, a solicitação de suspensão temporária de atividade deve ser acompanhada de comprovante de aprovação do respectivo Plano de Recuperação pelo órgão ambiental competente.


            § 4o Na hipótese de existência de área contaminada, a solicitação de suspensão temporária de atividade deve ser acompanhada de comprovante de aprovação do respectivo Plano de Remediação pelo órgão ambiental competente.


            § 5o O titular da licença e o executor das ações de recuperação ou de remediação devem declarar a atividade correspondente no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais.


Art. 37. Para encerrar a inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, a pessoa inscrita é obrigada a declarar a data de término em todas as atividades.


            Parágrafo único. A pessoa que encerrar atividade no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais deverá manter em seu poder todos os documentos probatórios pelo prazo legalmente exigido.


Art. 38. A inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais enquadra-se na situação cadastral de Cadastramento Indevido quando a pessoa declara atividade potencialmente poluidora ou utilizadora de recursos ambientais, apesar de nunca ter realizado tal atividade.


Art. 39. A inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais enquadra-se na situação de Suspenso para Averiguações quando, de ofício ou a pedido de pessoa interessada, se verificarem indícios de irregularidade e de inconsistência de dados, sem prejuízo das medidas administrativas cabíveis.


            Parágrafo único. O lançamento da situação cadastral Suspenso para Averiguações, de ofício, será feito mediante solicitação motivada da área responsável, e conforme procedimento a ser aprovado pela Diretoria de Qualidade Ambiental.


Art. 40. A inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais enquadra-se na situação de Cadastramento de Ofício quando realizado pela Administração.


            Parágrafo único. A situação de Cadastramento de Ofício será substituída pela situação de Ativo quando a pessoa inscrita regularizar os dados cadastrais nos termos do art. 22.

Seção IV
Enquadramento

Art. 41. O enquadramento é declarado pela pessoa inscrita no momento do seu cadastramento no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, sujeito à auditagem do Ibama.


            Parágrafo único. Para enquadramento de atividades exercidas, as pessoas físicas e jurídicas utilizarão as categorias e descrições do Anexo I, observando-se o Regulamento de Enquadramento de pessoas físicas e jurídicas no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais.


Art. 42. Para a implementação do art. 4o, inciso III, o Ibama criará novas categorias e descrições, redigidas em conformidade com a norma que motivou a sua criação, e, no que couber, com base na Classificação Nacional de Atividades Econômicas.


            § 1o As categorias e descrições devem referir-se a atividades, e não a pessoas ou objetos.


            § 2o As categorias e descrições devem referir-se, exclusivamente, a atividades potencialmente poluidoras e utilizadoras de recursos ambientais e obrigadas à inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais nos termos do art. 10.


            § 3o Poderão ser criadas novas descrições vinculadas a atividades contidas no Anexo VIII da Lei no 6.938, de 1981, para atender a necessidades de melhoria do controle e fiscalização da atividade e da visualização das pessoas que a exercem.


            § 4o Na hipótese do § 3o, a nomenclatura da nova atividade será composta da reprodução literal da descrição do Anexo VIII da Lei no 6.938, de 1981, seguida de hífen e do detalhe especificativo.


Art. 43. As alterações do Anexo I, além de publicadas no Diário Oficial da União, serão publicizadas no sítio eletrônico do Ibama e na intranet institucional.

CAPÍTULO IV
DECLARAÇÃO DE PORTE ECONÔMICO

Art. 44. A pessoa jurídica declarará no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais um dos seguintes tipos de porte, referente a cada ano declarado:


            I – com fins lucrativos;


            II – entidade pública;


            III – sem fins lucrativos – entidade beneficente de assistência social, denominada de filantrópica pela Lei no 6.938, de 1981; ou


            IV – sem fins lucrativos – não certificada como entidade beneficente de assistência social.


            § 1o Na hipótese do inciso III e para fins de aplicação do art. 17-F da Lei no 6.938, de 1981, a pessoa jurídica deverá inserir no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais cópia digital do Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social declarando número, data de emissão e de validade.


            § 2o As entidades sem fins lucrativos especificadas no inciso IV equiparam-se àquelas com fins lucrativos, para declaração de porte.

CAPÍTULO V
CERTIDÕES

Art. 45. A existência de Comprovante de Inscrição ativo certifica a condição de pessoa inscrita no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais.


Art. 46. A emissão do Certificado de Regularidade certifica que os dados da pessoa inscrita estão em conformidade com as obrigações decorrentes do seu Cadastro e da prestação de informações nos sistemas de controle do Ibama.


            § 1o O Certificado de Regularidade poderá certificar outros dados declarados por força de normativas ambientais específicas e do exercício de controle pelas instituições ambientais.


            § 2o O Certificado de Regularidade terá validade de três meses, a contar da data de sua emissão e conterá o número do cadastro, o CPF ou CNPJ, o nome ou razão social, as atividades declaradas que estão ativas, a data de emissão, a data de validade e chave de identificação eletrônica.


            § 3o A validade do Certificado de Regularidade poderá ser cancelada a qualquer momento, motivada por impeditivo constatado pelo sistema, nos termos do Anexo II.


            § 4o O cancelamento da validade do Certificado de Regularidade será publicizado por meio de Consulta ao sítio eletrônico do Ibama.


Art. 47. A emissão do Certificado de Regularidade dependerá de Comprovante de Inscrição ativo e de não haver os impeditivos previstos no Anexo II.


            Parágrafo único. A prestação de serviços pelo Ibama às pessoas físicas e jurídicas obrigadas à inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais fica condicionada à verificação de regularidade de que trata o caput.


Art. 48. As certidões emitidas pelo Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais não desobrigam a pessoa inscrita de obter licenças, autorizações, permissões, concessões, alvarás e demais documentos exigíveis por instituições federais, estaduais, distritais ou municipais para o exercício de suas atividades.


Art. 49. Independentemente de requerimento de parte interessada, as Fichas Técnicas de Enquadramento são instrumento hábil à comprovação de obrigatoriedade ou de não obrigatoriedade de inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, conforme respectivo formulário no sítio eletrônico do Ibama na internet.


Art. 50. Não serão emitidos Certificados de Regularidade pelo Ibama, com base no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, para:


            I – pessoas físicas e jurídicas não obrigadas à inscrição nesse Cadastro; e


            II – pessoas físicas inscritas exclusivamente pelo motivo de serem responsável legal ou declarante por pessoa jurídica sujeita à inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais.

CAPÍTULO VI
PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS

Art. 51. Serão instruídas em processo apenas as solicitações de alteração de dados cadastrais que atenderem o disposto nos §§ 1o e 2o do art. 32.


Art. 52. Quando a solicitação de alteração de dados cadastrais for relacionada a enquadramento de atividades no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais, o deferimento ou indeferimento deverá ser fundamentado nas Fichas Técnicas de Enquadramento, ou atos aprovativos para o exercício de atividades potencialmente poluidoras e utilizadoras de recursos ambientais.


            Parágrafo único. Quando referenciados na análise processual, o processo administrativo será instruído com:


            I – Ficha Técnica de Enquadramento; e


            II – os dados de licenças, autorizações, concessões ou permissões ambientais.


Art. 53. A alteração de dados cadastrais que resulte em redução ou exclusão da Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental poderá ser efetuada pelo Núcleo de Qualidade Ambiental quando não afetar períodos com notificação de lançamento da taxa ou com créditos judicializados.


            Parágrafo único. Na hipótese do caput, o Núcleo de Qualidade Ambiental efetuará a alteração do dado e comunicará ao Setor de Arrecadação.


Art. 54. A alteração de dados cadastrais que resulte em redução ou exclusão da Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental, afetando períodos com notificação de lançamento da taxa ou com créditos judicializados, só poderá ser efetuada mediante análise prévia e anuência do Setor de Arrecadação.


Art. 55. A suspensão temporária de atividade cuja comprovação esteja fundamentada apenas em documentação fiscal e contábil deverá ser analisada pelo Setor de Arrecadação.


Art. 56. Na hipótese de indeferimento de solicitação de alteração de dado cadastral, o interessado será notificado da decisão, sendo-lhe concedido prazo de vinte dias para impugnar o indeferimento.


            Parágrafo único. Da decisão que indeferir a impugnação referida no caput caberá único recurso hierárquico à Coordenação de Avaliação e Instrumentos de Qualidade Ambiental, no prazo de vinte dias contados da notificação.


Art. 57. As pessoas físicas e jurídicas obrigadas à inscrição no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais que não efetuarem seu registro estarão sujeitas às sanções previstas no art. 76 do Decreto no 6.514, de 22 de julho de 2008, sem prejuízo de sanções cabíveis de ordem tributária.


Art. 58. Independente de situação cadastral, a pessoa inscrita, diretamente ou por meio de prepostos e sucessores legais, estará sujeita à aplicação de sanção referente às condutas descritas no art. 82 do Decreto no 6.514, de 2008.


Art. 59. Na hipótese de modificação ou de revogação de atividades do Anexo I, as inscrições de pessoas físicas e jurídicas no Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais serão atualizadas:


            I – pelo usuário externo, conforme especificação de edital da Diretoria de Qualidade Ambiental;


            II – pelo Ibama, quando couber.


            § 1o Na hipótese do inciso I do caput, o edital estabelecerá as orientações e período de alteração.


            § 2o Na hipótese de omissão do usuário externo, o Ibama promoverá, de ofício, a atualização dos dados das pessoas afetadas pela alteração, incluindo o registro de término de atividade ou o encerramento da inscrição, quando a atividade revogada for a única declarada.


Cláusula de revogação

Art. 60. Ficam revogadas:


            I – a Instrução Normativa no 6, de 15 de março de 2013, publicada no DOU de 11 de abril de 2013;


            II – a Instrução Normativa no 11, de 13 de abril de 2018, publicada no DOU de 17 de abril de 2018;


            III – a Instrução Normativa no 17, de 28 de junho de 2018, publicada no DOU de 29 de junho de 2018; e


            IV – a Instrução Normativa no 9, de 20 de março de 2020, publicada no DOU de 23 de março de 2020.


Vigência


Art. 61. Esta Portaria entra em vigor em 1o de setembro de 2021.


Eduardo Fortunato Bim

(DOU de 24.08.2021)
Este texto não substitui o publicado no DOU de 24.08.2021.

ANEXO I


            ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS

CATEGORIACÓDIGODESCRIÇÃOPessoaPessoa
jurídicafísica
Extração e Tratamento de Minerais1 – 1Pesquisa mineral com guia de utilizaçãoSimSim
1 – 2Lavra a céu aberto, inclusive de aluvião, com ou sem beneficiamentoSimSim
1 – 3Lavra subterrânea com ou sem beneficiamentoSimNão
1 – 4Lavra garimpeiraSimSim
1 – 7Lavra garimpeira – Decreto no 97.507/1989SimSim
1 – 5Perfuração de poços e produção de petróleo e gás naturalSimNão
Indústria de Produtos Minerais Não Metálicos2 – 1Beneficiamento de minerais não metálicos, não associados a extraçãoSimNão
2 – 2Fabricação e elaboração de produtos minerais não metálicos tais como produção de material cerâmico, cimento, gesso, amianto, vidro e similaresSimNão
Indústria Metalúrgica3 – 1Fabricação de aço e de produtos siderúrgicosSimNão
3 – 2Produção de fundidos de ferro e aço, forjados, arames, relaminados com ou sem tratamento de superfície, inclusive galvanoplastiaSimNão
3 – 3Metalurgia dos metais não-ferrosos, em formas primárias e secundárias, inclusive ouroSimNão
3 – 4Produção de laminados, ligas, artefatos de metais não-ferrosos com ou sem tratamento de superfície, inclusive galvanoplastiaSimNão
3 – 5Relaminação de metais não-ferrosos, inclusive ligasSimNão
3 – 6Produção de soldas e anodosSimNão
3 – 7Metalurgia de metais preciososSimNão
3 – 8Metalurgia do pó, inclusive peças moldadasSimNão
3 – 9Fabricação de estruturas metálicas com ou sem tratamento de superfície, inclusive galvanoplastiaSimNão
3 – 10Fabricação de artefatos de ferro, aço e de metais não-ferrosos com ou sem tratamento de superfície, inclusive galvanoplastiaSimNão
3 – 11Têmpera e cementação de aço, recozimento de arames, tratamento de superfícieSimNão
3 – 12Metalurgia de metais preciosos – Decreto no 97.634/1989SimNão
Indústria Mecânica4 – 1Fabricação de máquinas, aparelhos, peças, utensílios e acessórios com e sem tratamento térmico ou de superfícieSimNão
Indústria de Material Elétrico, Eletrônico e Comunicações5 – 1Fabricação de pilhas, baterias e outros acumuladoresSimNão
5 – 2Fabricação de material elétrico, eletrônico e equipamentos para telecomunicação e informáticaSimNão
5 – 3Fabricação de aparelhos elétricos e eletrodomésticosSimNão
5 – 4Fabricação de material elétrico, eletrônico e equipamentos para telecomunicação e informática – Lei no 12.305/2010: art. 33, VSimNão
Indústria de Material de Transporte6 – 1Fabricação e montagem de veículos rodoviários e ferroviários, peças e acessóriosSimNão
6 – 2Fabricação e montagem de aeronavesSimNão
6 – 3Fabricação e reparo de embarcações e estruturas flutuantesSimNão
Indústria de Madeira7 – 1Serraria e desdobramento de madeiraSimNão
7 – 2Preservação de madeiraSimNão
7 – 3Fabricação de chapas, placas de madeira aglomerada, prensada e compensadaSimNão
7 – 4Fabricação de estruturas de madeira e móveisSimNão
Indústria de Papel e Celulose8 – 1Fabricação de celulose e pasta mecânicaSimNão
8 – 2Fabricação de papel e papelãoSimNão
8 – 3Fabricação de artefatos de papel, papelão, cartolina, cartão e fibra prensadaSimNão
Indústria de Borracha9 – 1Beneficiamento de borracha naturalSimNão
9 – 3Fabricação de laminados e fios de borrachaSimNão
9 – 4Fabricação de espuma de borracha e de artefatos de espuma de borracha, inclusive látexSimNão
9 – 5Fabricação de câmara de arSimNão
9 – 6Fabricação de pneumáticosSimNão
9 – 7Recondicionamento de pneumáticosSimNão
Indústria de Couros e Peles10 – 1Secagem e salga de couros e pelesSimNão
10 – 2Curtimento e outras preparações de couros e pelesSimNão
10 – 3Fabricação de artefatos diversos de couros e pelesSimNão
10 – 4Fabricação de cola animalSimNão
Indústria Têxtil, de Vestuário, Calçados e Artefatos de Tecidos11 – 1Beneficiamento de fibras têxteis, vegetais, de origem animal e sintéticosSimNão
11 – 2Fabricação e acabamento de fios e tecidosSimNão
11 – 3Tingimento, estamparia e outros acabamentos em peças do vestuário e artigos diversos de tecidosSimNão
11 – 4Fabricação de calçados e componentes para calçadosSimNão
Indústria de Produtos de Matéria Plástica12 – 1Fabricação de laminados plásticosSimNão
12 – 2Fabricação de artefatos de material plásticoSimNão
Indústria do Fumo13 – 1Fabricação de cigarros, charutos, cigarrilhas e outras atividades de beneficiamento do fumoSimNão
Indústrias Diversas14 – 1Usinas de produção de concretoSimNão
14 – 2Usinas de produção de asfaltoSimNão
Indústria Química15 – 1Produção de substâncias e fabricação de produtos químicosSimNão
15 – 2Fabricação de produtos derivados do processamento de petróleo, de rochas betuminosas e da madeiraSimNão
15 – 3Fabricação de combustíveis não derivados de petróleoSimNão
15 – 4Produção de óleos, gorduras, ceras, vegetais e animais, óleos essenciais, vegetais e produtos similares, da destilação da madeiraSimNão
15 – 5Fabricação de resinas e de fibras e fios artificiais e sintéticos e de borracha e látex sintéticosSimNão
15 – 6Fabricação de pólvora, explosivos, detonantes, munição para caça e desporto, fósforo de segurança e artigos pirotécnicosSimNão
15 – 7Recuperação e refino de solventes, óleos minerais, vegetais e animaisSimNão
15 – 8Fabricação de concentrados aromáticos naturais, artificiais e sintéticosSimNão
15 – 9Fabricação de preparados para limpeza e polimento, desinfetantes, inseticidas, germicidas e fungicidasSimNão
15 – 10Fabricação de tintas, esmaltes, lacas, vernizes, impermeabilizantes, solventes e secantesSimNão
15 – 11Fabricação de fertilizantes e agroquímicosSimNão
15 – 12Fabricação de produtos farmacêuticos e veterináriosSimNão
15 – 13Fabricação de sabões, detergentes e velasSimNão
15 – 14Fabricação de perfumarias e cosméticosSimNão
15 – 15Produção de álcool etílico, metanol e similaresSimNão
15 – 17Produção de substâncias e fabricação de produtos químicos – PI no 292/1989: art. 1oSimNão
15 – 20Produção de substâncias e fabricação de produtos químicos – Lei no 9.976/2000SimNão
15 – 21Produção de substâncias e fabricação de produtos químicos – Resolução CONAMA no 463/2014 / Resolução CONAMA no 472/2015SimNão
15 – 23Fabricação de produtos derivados do processamento de petróleo, de rochas betuminosas e da madeira – Resolução CONAMA no 362/2005: art. 2o, XIVSimNão
Indústria de Produtos Alimentares e Bebida16 – 1Beneficiamento, moagem, torrefação e fabricação de produtos alimentaresSimNão
16 – 2Matadouros, abatedouros, frigoríficos, charqueadas e derivados de origem animalSimNão
16 – 3Fabricação de conservasSimNão
16 – 4Preparação de pescados e fabricação de conservas de pescadosSimNão
16 – 5Beneficiamento e industrialização de leite e derivadosSimNão
16 – 6Fabricação e refinação de açúcarSimNão
16 – 7Refino e preparação de óleo e gorduras vegetaisSimNão
16 – 8Produção de manteiga, cacau, gorduras de origem animal para alimentaçãoSimNão
16 – 9Fabricação de fermentos e levedurasSimNão
16 – 10Fabricação de rações balanceadas e de alimentos preparados para animaisSimNão
16 – 11Fabricação de vinhos e vinagreSimNão
16 – 12Fabricação de cervejas, chopes e maltesSimNão
16 – 13Fabricação de bebidas não-alcoólicas, bem como engarrafamento e gaseificação e águas mineraisSimNão
16 – 14Fabricação de bebidas alcoólicasSimNão
16 – 15Matadouros, abatedouros, frigoríficos, charqueadas e derivados de origem animal – Resolução CONAMA no 489/2018: art. 4o, ISimNão
Serviços de Utilidade17 – 1Produção de energia termoelétricaSimSim
17 – 4Destinação de resíduos de esgotos sanitários e de resíduos sólidos urbanos, inclusive aqueles provenientes de fossasSimNão
17 – 5Dragagem e derrocamentos em corpos d’águaSimNão
17 – 57Tratamento e destinação de resíduos industriais líquidos e sólidos – Decreto no 7.404/2010: art. 36SimNão
17 – 58Tratamento e destinação de resíduos industriais líquidos e sólidos – Lei no 12.305/2010: art. 3o, VIIISimNão
17 – 59Tratamento e destinação de resíduos industriais líquidos e sólidos – Lei no 12.305/2010: art. 13, I, “f”, “k”SimNão
17 – 60Tratamento e destinação de resíduos industriais líquidos e sólidos – Lei no 12.305/2010: art. 3o, XIVSimNão
17 – 61Disposição de resíduos especiais: Lei no 12.305/2010: art. 33, ISimNão
17 – 62Disposição de resíduos especiais: Lei no 12.305/2010: art. 33, IISimNão
17 – 63Disposição de resíduos especiais: Lei no 12.305/2010: art. 33, IIISimNão
17 – 64Disposição de resíduos especiais: Lei no 12.305/2010: art. 13, I, “g”SimNão
17 – 65Disposição de resíduos especiais: Lei no 12.305/2010: art. 13, I, “h”SimNão
17 – 66Disposição de resíduos especiais: Protocolo de MontrealSimNão
17 – 67Recuperação de áreas degradadasSimSim
17 – 68Recuperação de áreas contaminadasSimNão
17 – 69Tratamento e destinação de resíduos industriais líquidos e sólidos – Lei Complementar no 140/2011: art. 7o, XIV, “g”SimNão
Transporte, Terminais, Depósitos e Comércio18 – 1Transporte de cargas perigosasSimSim
18 – 2Transporte por dutosSimNão
18 – 3Marinas, portos e aeroportosSimNão
18 – 4Terminais de minério, petróleo e derivados e produtos químicosSimNão
18 – 5Depósito de produtos químicos e produtos perigososSimNão
18 – 6Comércio de combustíveis e derivados de petróleoSimNão
18 – 7Comércio de produtos químicos e produtos perigososSimNão
18 – 8Comércio de produtos químicos e produtos perigosos – Decreto no 97.634/1989SimNão
18 – 10Comércio de produtos químicos e produtos perigosos – Protocolo de MontrealSimSim
18 – 13Comércio de produtos químicos e produtos perigosos – Resolução CONAMA no 362/2005SimNão
18 – 14Transporte de cargas perigosas – Resolução CONAMA no 362/2005SimNão
18 – 17Comércio de produtos químicos e produtos perigosos – Convenção de Estocolmo / PI no 292/1989SimNão
18 – 64Comércio de produtos químicos e produtos perigosos – Resolução CONAMA no 463/2014 / Resolução CONAMA no 472/2015SimNão
18 – 66Comércio de produtos químicos e produtos perigosos – Lei no 7.802/1989SimNão
18 – 74Transporte de cargas perigosas – Lei no 12.305/2010SimNão
18 – 79Comércio de produtos químicos e produtos perigosos – Decreto no 875/1993SimNão
18 – 80Depósito de produtos químicos e produtos perigosos – Lei no 12.305/2010SimNão
18 – 81Comércio de produtos químicos e produtos perigosos – Resolução CONAMA no 401/2008SimNão
18 – 83Transporte de cargas perigosas – Lei Complementar no 140/2011: art. 7o, XIV, “g”SimSim
18 – 84Depósito de produtos químicos e produtos perigosos – Lei Complementar no 140/2011: art. 7o, XIV, “g”SimNão
Turismo19 – 1Complexos turísticos e de lazer, inclusive parques temáticosSimNão
Uso de recursos naturais20 – 2Exploração econômica da madeira ou lenha e subprodutos florestaisSimSim
20 – 5Utilização do patrimônio genético naturalSimSim
20 – 6Exploração de recursos aquáticos vivosSimSim
20 – 21Importação ou exportação de fauna nativa brasileiraSimSim
20 – 22Importação ou exportação de flora nativa brasileiraSimSim
20 – 23Atividade de criação e exploração econômica de fauna exótica e de fauna silvestre – Resolução CONAMA no 489/2018: art. 4o, IVSimNão
20 – 25Atividade de criação e exploração econômica de fauna exótica e de fauna silvestre – Resolução CONAMA no 489/2018: art. 4o, XSimNão
20 – 26Introdução de espécies exóticas, exceto para melhoramento genético vegetal e uso na agriculturaSimSim
20 – 35Introdução de espécies geneticamente modificadas previamente identificadas pela CTNBio como potencialmente causadoras de significativa degradação do meio ambienteSimSim
20 – 37Uso da diversidade biológica pela biotecnologia em atividades previamente identificadas pela CTNBio como potencialmente causadoras de significativa degradação do meio ambienteSimNão
20 – 54Exploração de recursos aquáticos vivos – Lei no 11.959/2009: art. 2o, IISimSim
20 – 60Silvicultura – Lei no 12.651/2012: art. 35, §§ 1o, 3oSimSim
20 – 61Silvicultura – Lei no 12.651/2012: art. 35, § 1oSimSim
20 – 63Exploração econômica da madeira ou lenha e subprodutos florestais – Instrução Normativa IBAMA no 21/2014: 7o, IISimSim
20 – 81Atividade de criação e exploração econômica de fauna exótica e de fauna silvestre – Resolução CONAMA no 496/2020SimSim
21 – 3Utilização técnica de substâncias controladas – Protocolo de MontrealSimNão
21 – 5Experimentação com agroquímicos – Lei no 7.802/1989SimNão
21 – 27Porte e uso de motosserra – Lei no 12.651/2012: art. 69, § 1oSimSim
21 – 28Conversão de sistema de Gás Natural – Resolução CONAMA no 291/2001SimNão
21 – 30Operação de rodovia – Lei no 6.938/1981: art. 10SimNão
21 – 31Operação de hidrovia – Lei no 6.938/1981: art. 10SimNão
21 – 32Operação de aeródromo – Lei no 6.938/1981: art. 10SimSim
21 – 33Estações de tratamento de água – Lei no 6.938/1981: art. 10SimNão
21 – 34Transmissão de energia elétrica – Lei no 6.938/1981: art. 10SimNão
21 – 35Geração de energia hidrelétrica – Lei no 6.938/1981: art. 10SimSim
21 – 36Geração de energia eólica e de outras fontes alternativas – Lei no 6.938/1981: art. 10SimSim
21 – 37Distribuição de energia elétrica – Lei no 6.938/1981: art. 10SimNão
21 – 40Comércio exterior de resíduos controlados – Decreto no 875/1993SimNão
21 – 41Importação de lâmpadas fluorescentes, de vapor de sódio e mercúrio e de luz mista – Lei no 12.305/2010SimNão
21 – 42Importação de eletrodomésticos – Resolução CONAMA no 20/1994SimNão
21 – 43Importação de veículos automotores para uso próprio – Lei no 8.723/1993SimSim
21 – 44Importação de veículos automotores para fins de comercialização – Lei no 8.723/1993SimNão
21 – 45Importação de pneus e similares – Resolução CONAMA no 416/2009SimSim
21 – 46Controle de plantas aquáticas – Resolução CONAMA no 467/2015SimSim
21 – 47Aplicação de agrotóxicos e afins – Lei no 7.802/1989SimSim
21 – 48Consumo industrial de madeira, de lenha e de carvão vegetal – Lei no 12.651/2012: art. 34SimNão
21 – 49Transporte de produtos florestais – Lei no 12.651/2012: art. 36SimSim
21 – 50Armazenamento de produtos florestais – Lei no 12.651/2012: art. 36SimNão
21 – 51Formulação de produtos biorremediadores – Resolução CONAMA no 463/2014SimNão
21 – 52Centro de triagem e reabilitação – Resolução CONAMA no 489/2018: art. 4o, IISimNão
21 – 53Manutenção de fauna silvestre ou exótica – Resolução CONAMA no 489/2018: art. 4o, IXSimSim
21 – 55Criação científica de fauna exótica e de fauna silvestre – Resolução CONAMA no 489/2018: art. 4o, IIISimNão
21 – 56Criação conservacionista de fauna silvestre – Resolução CONAMA no 489/2018: art. 4o, VSimSim
21 – 57Importação ou exportação de fauna exótica – Portaria IBAMA no 93/1998SimSim
21 – 58Manejo de fauna exótica invasora – Resolução CONABIO no 7/2018SimSim
21 – 59Manejo de fauna sinantrópica nociva – Instrução Normativa IBAMA no 141/2006SimSim
21 – 60Criação amadorista de passeriformes da fauna silvestre – Instrução Normativa IBAMA no 10/2011NãoSim
21 – 64Exportação de carvão vegetal de espécies exóticas – Instrução Normativa IBAMA no 15/2011: art. 2o, § 1oSimNão
21 – 66Produção de agrotóxicos de agentes biológicos e microbiológicos de controle – Lei no 7.802/1989SimNão
21 – 67Comércio atacadista de madeira, de lenha e de outros produtos florestais – Lei no 12.651/2012: art. 37SimNão
21 – 68Comércio varejista de madeira, de lenha e de outros produtos florestais – Lei no 12.651/2012: art. 37SimNão
21 – 69Comercialização de recursos pesqueiros – Lei no 11.959/2009: art. 3o, X; art. 31SimNão
21 – 70Revenda de organismos aquáticos vivos ornamentais – Lei no 11.959/2009: art. 3o, X; art. 31SimNão
21 – 71Empreendimento comercial de animais vivos da fauna silvestre ou fauna exótica – Resolução CONAMA no 489/2018: art. 4o, VIISimNão
21 – 72Empreendimento comercial de partes, produtos e subprodutos da fauna silvestre ou exótica – Resolução CONAMA no 489/2018: art. 4o, VIIISimNão
21 – 73Comercialização de motosserra – Lei no 12.651/2012: art. 69SimNão
21 – 74Criação de animais – Lei no 6.938/1981: art. 10SimSim
21 – 75Irrigação – Resolução CONAMA no 284/2001: art. 2oSimSim
21 – 76Cemitério – Resolução CONAMA no 335/2003: art. 1oSimNão
21 – 77Sistema crematório – Resolução CONAMA no 316/2002: art. 17SimNão
21 – 78Operação de cabos de comunicação e transmissão de dados – Lei no 6.938/1981: art. 10SimNão
21 – 79Instalações nucleares e radiativas diversas – Lei Complementar no 140/2011: art. 7o, XIV, “g”SimNão
Atividades sujeitas a controle e fiscalização ambiental não relacionadas no Anexo VIII da Lei no 6.938/1981 – Obras civis22 – 1Rodovias, ferrovias, hidrovias, metropolitanos – Lei no 6.938/1981: art. 10SimNão
22 – 2Construção de barragens e diques – Lei no 6.938/1981: art. 10SimNão
22 – 3Construção de canais para drenagem – Lei no 6.938/1981: art. 10SimNão
22 – 4Retificação do curso de água – Lei no 6.938/1981: art. 10SimNão
22 – 5Abertura de barras, embocaduras e canais – Lei no 6.938/1981: art. 10SimNão
22 – 6Transposição de bacias hidrográficas – Lei no 6.938/1981: art. 10SimNão
22 – 7Construção de obras de arte – Lei no 6.938/1981: art. 10SimNão
22 – 8Outras obras de infraestrutura – Lei no 6.938/1981: art. 10SimNão

ANEXO II


            IMPEDITIVOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADO DE REGULARIDADE DO CADASTRO TÉCNICO FEDERAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS

CTF/APP – Comprovante de Inscrição inativo.
CTF/APP – falta declaração de data de constituição.
CTF/APP – falta declaração de atividade.
CTF/APP – falta declaração de porte.
CTF/APP – declaração inconsistente de dados, conforme auditagem.
CTF/AIDA – impeditivo de emissão no CTF/AIDA.
RAPP – falta de entrega de relatório anual (Lei no 6.938/1981: art. 17-C).
PROTOCOLO DE MONTREAL – falta de entrega do Relatório Anual.
AGROTÓXICOS – falta de entrega do Relatório Semestral de Agrotóxicos.
DOF – falta de confirmação de recebimento.
DOF – bloqueio no sistema.
SISPASS – vistoria presencial não realizada.
OGM – falta de licença do CTNBio.
Facebook Comments

Newsletter

Cadastre-se para receber nossa newsletter e fique a par das principais novidades sobre a legislação ambiental aplicada aos diversos setores da economia.

×

Powered by WhatsApp Chat

× Como posso te ajudar?