O custo de um erro

Data: 11/06/2014
Veículo: Jornal de Londrina
Seção: Serviços
Cidade: Curitiba/PR

O custo de um erro

Como mensurar erros e equívocos na execução de um grande projeto de infraestrutura? De fato, é extremamente complexo colocar em números as perdas que um grupo econômico pode ter ao iniciar um projeto que corra o risco de não chegar ao fim ou ficar paralisado por um longo tempo. A simples exposição de uma empresa ou de uma companhia de capital aberto ao ter um projeto embargado é muito ruim. Por vezes, esse se torna um problema insanável, pois afeta todas as áreas necessárias para se colocar um grande projeto de pé: afugenta investidores, abala a imagem da empresa, acarreta queda no valor das ações, entre outras reações conhecidas do mercado.
Assim, a pergunta correta é: como evitar erros e equívocos em grandes projetos de infraestrutura? Além das práticas conhecidas no mercado mundial – boa escolha mercadológica, aporte de recursos, conhecimento do mercado, entre outros –, no Brasil há um fator determinante: o viés ambiental.
Dentro do chamado “risco Brasil”, os entraves oriundos do licenciamento ambiental e a atuação aguerrida do Ministério Público e de ONGs ambientalistas têm assustado e por muitas vezes afastado investidores. Americanos, europeus e asiáticos não entendem, além das idas e vindas dentro do órgão ambiental, como a expedição de uma licença ambiental não gera segurança jurídica nenhuma, muito menos que possa ser o motivo para a propositura de ações civis públicas e até ações criminais (muitas vezes em face dos financiadores dos empreendimentos também).
Dessa forma é necessário, na fase de planejamento do projeto, antes mesmo de se iniciar os estudos ambientais, conhecer e mensurar corretamente esses riscos – que devem fazer parte da planilha de custos –, bem como saber apresentá-los aos investidores ou adquirentes do projeto. Sem isso, é grande a probabilidade de que ocorram entraves, muitas vezes até mesmo insanáveis.
Qualquer projeto precisa de uma boa gestão ambiental e de uma correta mensuração de riscos. Os players do mercado são especialistas em valorar riscos financeiros e mercadológicos, mas ainda não aprenderam a calcular riscos ambientais. E isso se faz de maneira estatística: compara-se o projeto com outros similares e se calcula quantos foram judicializados, quantos foram investigados pelo Ministério Público, quantos geraram repercussão socioambiental negativa e quantos efetivamente foram inviabilizados.
A questão é que o levantamento dos dados não é algo fácil. Isso porque, diferentemente de dados econômicos ou mercadológicos, que são amplamente sistematizados e divulgados, os dados ambientais são de difícil acesso. O importante é perceber que sem esses dados e sem uma criteriosa análise, realizada por equipe que possua efetiva atuação na área, é impossível analisar o risco e, a partir disso, ou tranquilizar o empreendedor e os investidores, ou promover as adequações necessárias. A vantagem é que, no caso de a avaliação ter ocorrido na gênese do processo, as alterações – sejam elas de locação, de tecnologias utilizadas ou mesmo de concepção do projeto – são mais fáceis e menos custosas.
Diante desse quadro, empreendedores, investidores ou compradores de projetos não podem mais se surpreender com o viés ambiental, pois a sua interferência em grande projetos de infraestrutura não é um risco ou uma possibilidade, mas sim um fato e uma realidade.

Por Marcos André Bruxel Saes e Gleyse Gulin