TEMA 1010: STJ decidiu que em áreas urbanas consolidadas valem as APPs do Código Florestal. Entenda os fundamentos da decisão

Foi publicada, nesta segunda-feira (10/05/2021), a decisão do Superior Tribunal de Justiça sobre o tamanho da área que deve ser preservada às margens de cursos d’água em área urbana consolidada (1). Essa controvérsia chegou ao STJ porque há duas leis contraditórias sobre a matéria. Segundo a Lei de Parcelamento de Solo Urbano, de 1979, a distância é de 15 metros; para o Código Florestal, de 2012, essa distância varia de 30 a 500 metros, dependendo da largura do curso d’água.

O STJ decidiu pela prevalência do Código Florestal de 2012, fixando tese jurídica nestes termos:

Tema 1010/STJ: Na vigência do novo Código Florestal (Lei n. 12.651/2012), a extensão não edificável nas Áreas de Preservação Permanente de qualquer curso d’água, perene ou intermitente, em trechos caracterizados como área urbana consolidada, deve respeitar o que disciplinado pelo seu art. 4º, caput, inciso I, alíneas a, b, c, d e e, a fim de assegurar a mais ampla garantia ambiental a esses espaços territoriais especialmente protegidos e, por conseguinte, à coletividade.

A sessão de julgamento ocorreu em 28/04/2021, mas agora, com a publicação da decisão, é possível entender mais detalhadamente quais foram os fundamentos adotados pelo STJ.

A Corte superou o conflito normativo pelo critério da especialidade, entendendo que o Código Florestal é mais específico do que a Lei de Parcelamento do Solo Urbano e, por isso, prevalece. Esse argumento técnico acabou se misturando com argumentos de ordem constitucional, pois o STJ entendeu que o Código Florestal, por trazer metragem protetiva maior, representa a norma que melhor tutela o meio ambiente (em termos constitucionais, melhor garante o direito de todos ao meio ambiente ecologicamente equilibrado constante no art. 225 da CRFB/1988).

Além disso, a decisão não trouxe nenhuma regra sobre modulação dos efeitos (possibilidade de estabelecer data futura ao julgamento para que os efeitos do decidido comecem a valer na prática). Então, a decisão pode inclusive atingir fatos pretéritos e já consolidados.

Tendo em vista este cenário, entendemos que, com todo o respeito, faltou sensibilidade dos julgadores da Corte em relação ao que se entende propriamente por “meio ambiente” e aos efeitos práticos (também ao “meio ambiente”) que poderão ser causados pela decisão.

No direito ambiental brasileiro (2), a conceituação de “meio ambiente” não se limita ao seu aspecto natural (meio ambiente natural, traduzido em efetiva natureza), mas compõe também seus aspectos construídos/artificiais, erigidos pelo ser humano ao longo do tempo (meio ambiente artificial, construído).

Dessa maneira, entende-se que uma decisão judicial bem ajustada em matéria ambiental é aquela que bem concatena todas as facetas afetas ao “meio ambiente” e, assim, de fato compatiliza o desenvolvimento econômico-social com a preservação da qualidade do meio ambiente e do equilíbrio ecológico (literalidade do primeiro dos objetivos da Lei da Política Nacional do Meio ambiente – Lei n. 6.938/1981, art. 4º, I).

A decisão do STJ merece reparos basicamente por não zelar satisfatoriamente pelo exposto acima.

Levando ao pé da letra o Código Florestal, como quer o STJ, cidades como Manaus  estariam integralmente em área de APP, por estarem às margens de rios de grandes dimensões, que exigiriam a preservação de faixa de 500 metros. 

Ao se contrastar uma realidade local como essa (que é reproduzida também em vários municípios de norte a sul do país) com o decidido pelo STJ – tanto ao firmar entendimento que o Código Florestal seria, no entender dos julgadores, o mais adequado ao meio ambiente, quanto em não estipular qualquer modulação dos efeitos do decidido– entende-se, respeitosamente, que a decisão poderia ter composto todos os direitos e matérias envolvidas de maneira mais adequada.

De todo o modo, o STJ invariavelmente já tomou sua decisão quanto ao assunto e, agora, basta debruçar-se ao seu conteúdo e guiar os trabalhos (tanto jurídicos quanto empresariais, construtivos) levando em conta o disposto no acórdão. Nesta linha, vale destacar que ao menos a tese foi editada levando em consideração apenas casos “na vigência do novo Código Florestal (Lei n. 12.651/2012)”, abrindo espaço para que em situações ocorridas antes da vigência do atual Código Florestal ainda se possa discutir, administrativa e/ou judicialmente, pela prevalência das regras da Lei do Parcelamento do Solo Urbano (afastamento de 15 metros).

Enfim, fazendo-se referência à célebre frase atribuída ao economista e ex-ministro da Fazenda Pedro Malan, parece que, no Brasil, realmente até o passado é incerto. Mesmo assim, a todos os juristas e empreendedores é preciso de extrema atenção e diligência ao decidido pelo STJ, tanto para empreender novos projetos às margens de curso d´agua quanto para tentar regularizar empreendimentos já existentes nesses espaços.

Por: Nelson Tonon e Pedro Reschke

Fonte: Direito Ambiental

Publicado em: 12/05/2021

Facebook Comments

Newsletter

Cadastre-se para receber nossa newsletter e fique a par das principais novidades sobre a legislação ambiental aplicada aos diversos setores da economia.

×

Powered by WhatsApp Chat

× Como posso te ajudar?